Conecte-se conosco

Documentários

Rita Cadillac, pornochanchadas e ditadura na Netflix

Rita Cadillac, a Lady do Povo e Histórias que Nosso Cinema não Contava remetem ao Brasil dos anos 1970

Planeta Flix

Publicado

em

Foto: Reprodução

Dois ótimos documentários brasileiros estão disponíveis na Netflix: Histórias que Nosso Cinema (não) Contava, de Fernanda Passos, e Rita Cadillac – A Lady do Povo (2007), de Toni Venturi. Ambos trazem referências aos anos 1970 (Rita… se estende às décadas seguintes) e oferecem amostras para uma análise da moral brasileira nos últimos 50 anos.

Em Histórias que Nosso Cinema (não) Contava, Fernanda Passos reuniu cenas de algumas antológicas pornochanchadas produzidas nos anos 1970 para mostrar que esses filmes não era só sacanagem. Títulos como Histórias que Nossas Babás não Contavam (foto no alto, Nos Embalos de Ipanema, Amadas e Violentadas…


O resultado é surpreendente: das histórias pretensamente eróticas, saltam cenas de tortura e crítica política em plena ditadura. Usando como narrativa apenas a colagem de cenas — num impressionante trabalho de pesquisa, montagem e edição. –, a diretora vai além do aspecto político e traça um perfil do imaginário brasileiro da época.

Conflitos de classes, de gerações, questões de gênero, aborto, crise econômica. Está tudo ali, entre corpos nus e diálogos picantes. O triste é constatar que em muitos desses tópicos a mentalidade brasileira não avançou um centímetro, mesmo assim o filme rende boas risadas e muita reflexão.

Rita Cadillac – A Lady do Povo também dá o que pensar. Toni Venturi se propõe a fazer um perfil de um ícone da cultura pop/popular nacional, e o faz bem delineado. Indo de Rita de Cássia, nome verdadeiro da ex-chacrete, e Rita Cadillac, Venturi retrata também a moral e o moralismo do brasileiros das últimas décadas.

A história pessoal de Rita é cheia de detalhes que renderiam um folhetim. A perda do pai na infância, o abandono da mãe, a primeira paixão adolescente, o casamento sem amor, a violência do marido, o encontro com uma irmã que ela não sabia que existia…

O horror da ditadura chilena em sessão dupla na Netflix
Nova versão de Papillon, com Rami Malek, chega ao VoD

Os dramas e vitórias de Rita espelham as histórias de muitas mulheres brasileiras que, como ela, precisaram ir à luta para vencer o machismo e ter direito a se expressarem. Entre Rita de Cássia e Rita Cadillac, expõe-se o moralismo que condena de antemão essas mulheres que não se conformam em ser o que esperam delas.

 

Documentários

Serial killer Ted Bundy é tema de série documental na Netflix

História real do filme Ted Bundy: A Irresistível Face do Mal, com Zac Efron, é contada em quatro episódios

Planeta Flix

Publicado

em

Ted Bundy: A irresistível face do mal
Foto: Divulgação

No filme Ted Bundy: A Irresistível Face do Mal, de Joe Berlinger, em cartaz nos cinemas, Zac Efron (foto acima) interpreta um serial killer que decide fazer a própria defesa no julgamento em que é acusado de matar pelo menos 30 mulheres, em sete estados dos Estados Unidos, durante os anos 1970. O longa é baseado em uma história real, contada também em série documental na Netflix, Conversando com um Serial Killer: Ted Bundy.

Com quatro episódios, a série, por sinal, é do mesmo diretor do longa. E foi realizada quase que ao mesmo tempo em que o filme era rodado. Nela, Berlinger parte de matérias dos jornalistas Stephen Michaud e Hugh Aynesworth, que trouxeram à tona o caso, e segue até o julgamento, em que Ted Bundy foi condenado à pena de morte por eletrocussão.

Para contar a história, utiliza depoimentos de advogados, detetives, jornalistas, de amigos de Bundy e do próprio assassino. Diferente do filme, em que usa como base o livro The Phantom Prince: My Life with Ted Bundy, de Elizabeth Kendall, ex-namorada so serial killer.

Ted Bundy na verdade se chamava Theodore Robert Cowell. Era charmoso e comunicativo, o que o fazia arranjar namoradas com uma grande facilidade. A mesma facilidade com que as matava. Estudante de direito, optou por conduzir ele mesmo seu julgamento de defesa, e por muito tempo conseguiu convencer a todos de sua inocência.

Mas quando as evidências de seus crimes vieram à tona, chocou os Estados Unidos pela perversidade e crueldade com que assassinava suas vítimas. Conseguiu escapar da prisão nas duas vezes em que foi preso, dando continuidade a sua série de crimes, que só foi interrompida após ser julgado e levado ao corredor da morte.

Continue lendo

Documentários

Documentário mostra como internet ameaça a democracia

Documentário da Netflix mostra como nossos dados têm sido perigosamente usados para minar a democracia

Planeta Flix

Publicado

em

Foto: Netflix/Divulgação

Privacidade Hackeada, documentário que estreou esta semana na Netflix, é sobre um assunto que muitos de nós já sabemos: as grandes empresas de tecnologia estão se apossando de nossos dados pessoais para nos vender produtos e nos induzir a pensar dessa ou daquela forma. Mesmo assim, o filme de Karim Amer e Jehane Noujaim é assustador porque mostra de forma minuciosa o estrago que essa prática pode provocar no mundo.

O centro da narrativa é a Cambridge Analytica, empresa responsável pela condução da campanha de Donald Trump à presidência dos Estados Unidos e que estaria também por trás da campanha para o plebiscito que decidiu a saída do Reino Unido da União Europeia. A partir daí, os diretores conduzem uma trama carregada de lances que parecem fazer parte de uma ficção científica distópica.

O grande xis da questão é como a Cambridge Analytica usou, indevidamente, os dados pessoais dos seguidores do Facebook para induzi-los a escolher Trump. Sabe-se que a empresa tinha acesso a 5 mil pontos sobre cada eleitor americano e utilizou isso para moldar a realidade por meio de notícias falsas, de forma a potencializar os pontos de vista dos eleitores.

Para explicar a história, os diretores recorrem a personagens como o professor  Steve Bannon, que entrou com processo para obrigar a Cambridge a lhe entregar seus dados; dois ex-funcionários da empresa — o engenheiro de sistemas Chris Whyle e a executiva Brittany Kaiser — e a jornalista investigativa Carole Cadwalladr, do jornal britânico The Guardian, que ajudou a expor o caso ao público.

Whyle e Kaiser atuaram em postos-chave dentro da Cambridge Analytica e resolveram contar tudo o que sabiam, trazendo à tona o perigo que ronda, atualmente, qualquer cidadão que posta fotos, comenta ou simplesmente dá um like nas redes sociais. São dois personagens polêmicos, cujas motivações podem ser postas em dúvida mas não os desmentem.

Privacidade Hackeada foca no caso americano, mas diz respeito a qualquer cidadão do mundo que acesse um computador ou smartphone. Embora a Cambridge Analytica tenha encerrado suas atividades,  o perigo se mantém como “uma força tenebrosa que nos conecta globalmente”, nas palavras de Carole Cadwalladr. A tecnologia, tudo leva a crer, se mantém a serviço de quem a queira usar, sem que ainda haja um controle rigoroso sobre isso.

Que o diga Mark Zuckerberg, o fundador do Facebook, que se perde em evasivas quando é chamado a explicar num tribunal — o que é mostrado no documentário — como esses dados foram parar nas mãos da Cambridge Analytica. De posse desses dados, a empresa criou uma estratégia tão bem-sucedida que tem sido replicada em todo o mundo. Inclusive, no Brasil.

Desde o início de Privacidade Hackeada é difícil não associar ao nosso país o que se vê no filme, e não por coincidência. Na parte final da narrativa, o Brasil aparece como um exemplo de como a manipulação de dados e a produção de fake news está ajudando a extrema direita a avançar no mundo.

E por mais que tenhamos visto em matérias esparsas muito do que está no filme, Privacidade Hackeada tem extrema força ao “organizar” os fatos. O resultado é preocupante porque, como também diz Carole Cadwalladr, já não é o caso de ser de direita ou de esquerda, mas sim de saber se ainda teremos eleições legais e justas depois disso.

Continue lendo

Documentários

Rolling Thunder Revue: Bob Dylan por Martin Scorsese

Em documentário disponível na Netflix, cineasta recria turnê do cantor pelos Estados Unidos em 1975

Planeta Flix

Publicado

em

Foto: Netflix/Divulgação

Rolling Thunder Revue é o nome de uma turnê que Bob Dylan realizou pelos Estados Unidos entre 1975 e 1976.  Rolling Thunder Revue: A Bob Dylan Story by Martin Scorsese é o nome de um pseudo-documentário em que o diretor de Os Bons Companheiros recria a viagem musical do compositor de Blowin’ in the Wind.

O filme está disponível na Netflix desde 12 de junho, quando foi lançado simultaneamente com a exibição em alguns cinemas selecionados. E surpreende pela forma não convencional que Scorsese escolheu de contar a história dessa viagem, misturando registros documentais com partes ficcionais.

Além do próprio Dylan, ícones da música e da cultura pop, como o escritor Allen Ginsberg, as cantoras Patti Smith e Joan Baez e os atores Sam Shepard e Sharon Stone, aparecem na narrativa de mais de duas horas, que exige certo esforço do espectador (mas que dá de volta boa recompensa).

Vale lembrar que a Netflix tem no catálogo outro trabalho de Martin Scorsese na seara do documentário musical: o ótimo George Harrison Live in the Material World (2011), uma abordagem da busca do guitarrista dos Beatles pela evolução espiritual.

Continue lendo

Mais lidas

Copyright © 2018 PlanetaFlix - Um mundo inteiro para você curtir a partir do seu sofá. contato@planetaflix.com.br

error: Conteúdo protegido!