Conecte-se conosco

Documentários

4 documentários sobre vinho para assistir na Netflix

Separe um bom vinho para tomar enquanto assiste, porque você vai sentir uma enorme vontade de beber

Planeta Flix

Publicado

em

A Netflix tem no catálogo quatro documentários altamente recomendados para interessados no assunto vinho. Eles proporcionam uma viagem por diferentes regiões produtoras e mostram as etapas do caminho entre a plantação da uva até a degustação do vinho nos ambientes refinados de restaurantes e eventos.

Uma sugestão: escolha um bom vinho para tomar enquanto assiste, porque você vai ficar com muuuita vontade. Vai ficar com vontade também de viajar. Em todos os filmes, há uma abundância de belíssimas paisagens formadas por extensas plantações de uvas, edificações antigas e cidades bucólicas.

Somm – Dentro da Garrafa (2015)
Ótima introdução ao assunto vinho. O diretor Jason Wise consegue condensar em 1 hora e 30 minutos diferentes aspectos da produção, especialmente na Europa: a tradição familiar na vinicultura, os efeitos da guerra, o modo de vida dos produtores, a preocupação a cada colheita, o que faz alguns vinhos serem tão caros…  Para isso, Wise entrevista produtores e sommeliers europeus, americanos e australianos e faz belíssimas imagens, de vinhedos a adegas subterrâneas.

Decanted (2016)
A região de Napa Valley, na Califórnia, Estados Unidos, só citada em Somm — Dentro da Garrafa, pode ser conhecida mais a fundo neste documentário, em que é tema principal. O filme mostra o cotidiano de pequenos vinicultores da área, o árduo trabalho para produzir os melhores vinhos, os famosos leilões em que produtores encontram a chance de fazer seus produtos chegarem ao mercado consumidor. Dirigido por Nick Kovacic, que no ano passado lançou Agave – Spirit of a Nation, sobre a bebida tradicional do México.

Um Ano em Champanhe (2015)
Da mesma forma que Decanted se detém em Napa Valley, este documentário trata de forma mais detalhada da região de Champanhe, na França. A importadora americana de vinhos franceses Martine Saunier serve de guia na jornada, visitando vinícolas, conversando com produtores e revelando o dia a dia de trabalho árduo, que inclui a concorrência com os grande “tubarões”, como a Moet & Chandon.  David Kennard, o diretor, realizou Um Ano em Borgonha (2013), que já esteve na Netflix mas saiu de catálogo, e Um Ano no Porto (2018), ainda inédito no Brasil.

Sour Grapes (2016)
“Uvas Azedas” (título do filme em português) foge do clima contemplativo dos documentários citados acima e trata da relação do vinho com o mercado financeiro, por meio de venda de ações e dos concorridos leilões de garrafas caríssimas. A falsificação de vinhos raros levou a um dos maiores golpes da história da vinicultura, envolvendo a casa de leilões americana Acker Merral & Condit e o indonésio Rudy Kumiawan — que ganhou fama nos Estados Unidos como profundo conhecedor de vinhos e usou-a para promover a venda de garrafas falsificadas.

Documentários

Serial killer Ted Bundy é tema de série documental na Netflix

História real do filme Ted Bundy: A Irresistível Face do Mal, com Zac Efron, é contada em quatro episódios

Planeta Flix

Publicado

em

Ted Bundy: A irresistível face do mal
Foto: Divulgação

No filme Ted Bundy: A Irresistível Face do Mal, de Joe Berlinger, em cartaz nos cinemas, Zac Efron (foto acima) interpreta um serial killer que decide fazer a própria defesa no julgamento em que é acusado de matar pelo menos 30 mulheres, em sete estados dos Estados Unidos, durante os anos 1970. O longa é baseado em uma história real, contada também em série documental na Netflix, Conversando com um Serial Killer: Ted Bundy.

Com quatro episódios, a série, por sinal, é do mesmo diretor do longa. E foi realizada quase que ao mesmo tempo em que o filme era rodado. Nela, Berlinger parte de matérias dos jornalistas Stephen Michaud e Hugh Aynesworth, que trouxeram à tona o caso, e segue até o julgamento, em que Ted Bundy foi condenado à pena de morte por eletrocussão.

Para contar a história, utiliza depoimentos de advogados, detetives, jornalistas, de amigos de Bundy e do próprio assassino. Diferente do filme, em que usa como base o livro The Phantom Prince: My Life with Ted Bundy, de Elizabeth Kendall, ex-namorada so serial killer.

Ted Bundy na verdade se chamava Theodore Robert Cowell. Era charmoso e comunicativo, o que o fazia arranjar namoradas com uma grande facilidade. A mesma facilidade com que as matava. Estudante de direito, optou por conduzir ele mesmo seu julgamento de defesa, e por muito tempo conseguiu convencer a todos de sua inocência.

Mas quando as evidências de seus crimes vieram à tona, chocou os Estados Unidos pela perversidade e crueldade com que assassinava suas vítimas. Conseguiu escapar da prisão nas duas vezes em que foi preso, dando continuidade a sua série de crimes, que só foi interrompida após ser julgado e levado ao corredor da morte.

Continue lendo

Documentários

Documentário mostra como internet ameaça a democracia

Documentário da Netflix mostra como nossos dados têm sido perigosamente usados para minar a democracia

Planeta Flix

Publicado

em

Foto: Netflix/Divulgação

Privacidade Hackeada, documentário que estreou esta semana na Netflix, é sobre um assunto que muitos de nós já sabemos: as grandes empresas de tecnologia estão se apossando de nossos dados pessoais para nos vender produtos e nos induzir a pensar dessa ou daquela forma. Mesmo assim, o filme de Karim Amer e Jehane Noujaim é assustador porque mostra de forma minuciosa o estrago que essa prática pode provocar no mundo.

O centro da narrativa é a Cambridge Analytica, empresa responsável pela condução da campanha de Donald Trump à presidência dos Estados Unidos e que estaria também por trás da campanha para o plebiscito que decidiu a saída do Reino Unido da União Europeia. A partir daí, os diretores conduzem uma trama carregada de lances que parecem fazer parte de uma ficção científica distópica.

O grande xis da questão é como a Cambridge Analytica usou, indevidamente, os dados pessoais dos seguidores do Facebook para induzi-los a escolher Trump. Sabe-se que a empresa tinha acesso a 5 mil pontos sobre cada eleitor americano e utilizou isso para moldar a realidade por meio de notícias falsas, de forma a potencializar os pontos de vista dos eleitores.

Para explicar a história, os diretores recorrem a personagens como o professor  Steve Bannon, que entrou com processo para obrigar a Cambridge a lhe entregar seus dados; dois ex-funcionários da empresa — o engenheiro de sistemas Chris Whyle e a executiva Brittany Kaiser — e a jornalista investigativa Carole Cadwalladr, do jornal britânico The Guardian, que ajudou a expor o caso ao público.

Whyle e Kaiser atuaram em postos-chave dentro da Cambridge Analytica e resolveram contar tudo o que sabiam, trazendo à tona o perigo que ronda, atualmente, qualquer cidadão que posta fotos, comenta ou simplesmente dá um like nas redes sociais. São dois personagens polêmicos, cujas motivações podem ser postas em dúvida mas não os desmentem.

Privacidade Hackeada foca no caso americano, mas diz respeito a qualquer cidadão do mundo que acesse um computador ou smartphone. Embora a Cambridge Analytica tenha encerrado suas atividades,  o perigo se mantém como “uma força tenebrosa que nos conecta globalmente”, nas palavras de Carole Cadwalladr. A tecnologia, tudo leva a crer, se mantém a serviço de quem a queira usar, sem que ainda haja um controle rigoroso sobre isso.

Que o diga Mark Zuckerberg, o fundador do Facebook, que se perde em evasivas quando é chamado a explicar num tribunal — o que é mostrado no documentário — como esses dados foram parar nas mãos da Cambridge Analytica. De posse desses dados, a empresa criou uma estratégia tão bem-sucedida que tem sido replicada em todo o mundo. Inclusive, no Brasil.

Desde o início de Privacidade Hackeada é difícil não associar ao nosso país o que se vê no filme, e não por coincidência. Na parte final da narrativa, o Brasil aparece como um exemplo de como a manipulação de dados e a produção de fake news está ajudando a extrema direita a avançar no mundo.

E por mais que tenhamos visto em matérias esparsas muito do que está no filme, Privacidade Hackeada tem extrema força ao “organizar” os fatos. O resultado é preocupante porque, como também diz Carole Cadwalladr, já não é o caso de ser de direita ou de esquerda, mas sim de saber se ainda teremos eleições legais e justas depois disso.

Continue lendo

Documentários

Rolling Thunder Revue: Bob Dylan por Martin Scorsese

Em documentário disponível na Netflix, cineasta recria turnê do cantor pelos Estados Unidos em 1975

Planeta Flix

Publicado

em

Foto: Netflix/Divulgação

Rolling Thunder Revue é o nome de uma turnê que Bob Dylan realizou pelos Estados Unidos entre 1975 e 1976.  Rolling Thunder Revue: A Bob Dylan Story by Martin Scorsese é o nome de um pseudo-documentário em que o diretor de Os Bons Companheiros recria a viagem musical do compositor de Blowin’ in the Wind.

O filme está disponível na Netflix desde 12 de junho, quando foi lançado simultaneamente com a exibição em alguns cinemas selecionados. E surpreende pela forma não convencional que Scorsese escolheu de contar a história dessa viagem, misturando registros documentais com partes ficcionais.

Além do próprio Dylan, ícones da música e da cultura pop, como o escritor Allen Ginsberg, as cantoras Patti Smith e Joan Baez e os atores Sam Shepard e Sharon Stone, aparecem na narrativa de mais de duas horas, que exige certo esforço do espectador (mas que dá de volta boa recompensa).

Vale lembrar que a Netflix tem no catálogo outro trabalho de Martin Scorsese na seara do documentário musical: o ótimo George Harrison Live in the Material World (2011), uma abordagem da busca do guitarrista dos Beatles pela evolução espiritual.

Continue lendo

Mais lidas

Copyright © 2018 PlanetaFlix - Um mundo inteiro para você curtir a partir do seu sofá. contato@planetaflix.com.br

error: Conteúdo protegido!